“Tento sempre fazer ver aos meus colegas que os estudos são importantes”

“Tento sempre fazer ver aos meus colegas que os estudos são importantes”

2019-01-02

Hugo Almeida, que está a concluir o 12.º ano, sobre a importância da formação.

Aos 34 anos, o avançado da Académica voltou à escola e mantém viva a vontade de continuar ligado ao futebol.

Estás a tirar o 12.º ano. O que te motivou a voltar a estudar?
O que me motivou a acabar o 12.º ano foi que quando terminasse de jogar queria ter o curso de treinador, poder começar a tirar algo que estivesse incluído no futebol e de que eu gostasse. Por isso estou a tirar o curso de treinador.

Depois de terminares o 12.º ano ponderas continuar para uma licenciatura?
Ainda não sei se pretendo continuar. Logo se vê quais são as portas que se podem abrir só com o curso e as que se podem abrir com a licenciatura.

Faltam medidas que apoiem a conciliação dos estudos com a profissão de futebolista?
Sim. Não é fácil conciliar as duas coisas, pois os horários dos treinos mudam e também chega a haver dias em que treinamos duas vezes.

A família e os clubes apoiaram-te relativamente a esta decisão de voltares a estudar?
A família apoiou-me a voltar a estudar para quando terminar estar mais preparado para algo que apareça.

Sentes que és visto pelos colegas de equipa como um exemplo a seguir?
Sim, sinto que sou visto como um exemplo. Se é a seguir ou não isso só eles o podem dizer, mas tento sempre transmitir a minha experiência pelo que já vivi.

Aconselhas os colegas, principalmente os mais novos, a não abandonarem os estudos?
Sim. Os mais novos, sim. Quando me perguntam tento sempre fazer ver aos meus colegas que os estudos são importantes e para tentarem ao máximo conciliar as duas coisas.

Sabes se há mais jogadores da Académica a estudar?
Sim, há mais jogadores da Académica a estudar.

E há jogadores na faculdade a tirar uma licenciatura?
Sim, há vários jogadores a tirar licenciaturas: o Diogo Ribeiro, o Traquina, o Hugo Ribeiro, o Joel, o Mike, o Neiva e o Dias.

Abandonar os estudos precocemente é uma das maiores “pragas” para quem quer ser jogador profissional?
Sem dúvida. É um passo difícil de dar, mas, como disse, não é que não seja impossível. São duas coisas muito difíceis de conciliar.

Um jogador com formação académica pode ser melhor em campo?
Pode. Mas é pouco provável porque ou estás concentrado numa coisa ou noutra. Vais chegar a um certo ponto em que vais ter de decidir o que queres seguir.

Qual é a tua opinião sobre a atuação do Sindicato no futebol português?
A minha opinião é que o Sindicato é bastante importante no futebol porque defende os direitos dos jogadores e não dos clubes. Faz de tudo para que os jogadores se sintam importantes e para que sejam protegidos os seus direitos.


Perfil
Nome: Hugo Miguel Pereira Almeida
Data de nascimento: 23 de maio de 1984
Posição: Avançado
Percurso como jogador: Buarcos (formação), Naval (formação), FC Porto (formação), FC Porto B, FC Porto, União de Leiria, FC Porto B, FC Porto, Boavista, FC Porto, Werder Bremen (Alemanha), Besiktas (Turquia), Cesena (Itália), Kuban Krasnodar (Rússia), FK Anzhi (Rússia), Hannover 96 (Alemanha), AEK (Grécia), Hajduk Split (Croácia) e Académica.